Um pouco de Expressionismo Alemão

Poster de Nosferatu - uma sinfonia de horror

O expressionismo alemão foi uma corrente estética que se manifestou na pintura, na literatura, e mais tardiamente no cinema. Marcou o cinema da década de 20 imortalizando títulos que traz na luz e sombra a arte e a dramaticidade.

A Alemanha no início do século XX possuía o status de um país industrial bem desenvolvido. Contudo, os primeiros filmes categorizados como expressionistas daquela época, focam-se em uma era mais remota, não refletindo uma realidade urbana do país. Com a derrota da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha começou a entrar numa recessão, foi um período de caos e desordem social. A relação com os filmes que retratavam épocas antigas era como se os alemães, recusando a realidade de ter perdido a Primeira Guerra, se consolassem  numa situação anterior, utilizando lendas e contos.

Desta forma, toda a composição concreta, passa a ser abstrata, na função de não buscar o mundo como ele é e sim remodelar este, a partir dos sentimentos interiores do indivíduo, do lúdico e fantástico. Era muito mais interessante recriar um mundo do que a simples representação do que nós conhecemos. A partir daí, se destaca características visuais que determinaram a estética expressionista alemã, do início do século XX: Cenários subjetivos e abstratos, variações de luzes e sombras, cenários claustrofóbicos, e uma névoa soturna, com figuras por vezes grotescas e incomuns.

Cartaz do filme Metropolis

Dois dos filmes expressionistas que são expoentes a se destacar com esta estética cinematográfica,  são O Gabinete do Dr. Caligari (1919) e Metropolis (1927). Entretanto, apesar de ambos pertencerem ao Expressionismo, temos aí uma diferença de pouco menos de 10 anos, que reflete a situação do país em cada época, de uma forma bem diferente entre um e outro.

Em O Gabinete do Dr. Caligari, conta a história de um hipnotizador, o Dr Caligari que induz o jovem Cesare a matar pessoas. A história se complica quando este se recusa a matar uma bela jovem. Tudo se passando pela ótica de um louco. Neste filme, dirigido pelo diretor Robert Wiene, os cenários foram construídos sobre telas pintadas, mostrando elementos e formas irregulares e deformadas, além de um cenário subjetivo e lúdico. É distanciado do real, assumindo composições picturais e fantásticas, com sua arquitetura distorcida, casas inclinadas, ruas tortuosas, criando um universo inconsciente do estado psíquico dos homens, ou mesmo do olhar de um louco.

O Gabinete do Dr. Caligari - Cena do filme: o cenário eram telas das quais eram pintadas até mesmo as sombras que eram projetadas dos personagens.

 

Já em Metropolis (1927), o diretor Fritz Lang realizou uma produção precursora de Ficção Científica, do qual aliou características expressionistas a uma visão do que seria o mundo em 2026. A urbanização, atrelada a dificuldade de se viver na cidade, não no sentido de civilização mas, no distanciamento do rural, na impossibilidade do retorno a natureza, cria uma tensão entre ambas situações, do qual mesmo com a falta do vínculo da natureza, há a atração pelo modo de vida metropolitano e pela tecnologia, a tal ponto que o homem só vive para fazer a máquina “viver”. Essa ideia é bem refletida numa das cenas do relógio da grande máquina, que mostra um operador (no caso Freder, o filho do “dono” de Metropolis, se passando por trabalhador) girando os ponteiros do relógio do qual não pode parar por um segundo sequer.

Metropolis - Freder se passando por um trabalhador, fazendo o relógio girar

 

Na época, Metropolis foi considerada como a produção mais cara filmada na Europa. Conta uma história que se passa no século XXI, do qual os trabalhadores eram escravizados pelas máquinas. Era uma simbologia da preocupação com a mecanização da vida industrial no estilo de vida metropolitano, questionando a importância do sentimento humano. Metropolis apesar de relações com as características de filmes deste período, ele é diferenciado por seu cenário e roteiro, dos primeiros filmes expressionistas onde se destacava uma história lúdica remota, e por vezes pitorescas, como o próprio O Gabinete do Dr. Caligari (representado pelo terror e ambientação soturna). Ele representa mais a Alemanha industrial, e a exaltação da sociedade urbana.

Metropolis - Maria após a transformação para robô (que o Robocop invejou o modelito décadas depois)

 

Na linha do O Gabinete do Dr. Caligari, temos outros filmes que possuíam seus aspectos positivos e negativos e marcaram a época. É o caso de Nosferatu – uma Sinfonia de Horrores e Golem. Assim como algumas pinturas que a princípio não são bem absorvidas por quem vê a não ser que considerem a história do pintor ou a época da humanidade, o Expressionismo Alemão traz grandes obras que tem muito mais conceito e arte do que a simples preocupação atual de se parecer real ou megalomaníaco. Como exemplo, só repararmos no cuidado de luz e sombra e suas variações tonais da escala de cinza em filmes como o próprio Nosferatu, ou O Gabinete… Mas, isso é assunto para um próximo post.

Anúncios

3 pensamentos sobre “Um pouco de Expressionismo Alemão

  1. Excelente lembrança essa sua, Nanah! O Expressionismo alemão foi mesmo a fonte de grande obras, como as citadas neste post. Além disso, trouxe uma contribuição estética inestimável para o desenvolvimento da arte de se fazer filmes.
    Bjoo!

  2. Adoro essa época. O Gabinete do Dr. Caligari é um filmaço, e Nosferatu a melhor adaptação da história do Drácula para o cinema. Pretendo ver Metrópolis logo, agora que lançaram uma versão maior. Ótimo trabalho. É sempre bom falar disso. Beijos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s