Dúvida (2008)

“Even if you feel certainty, it is an emotion not a fact.”

Não existe certeza absoluta. O que concretiza uma verdade? Uma mentira pode consistir em veracidade incondicional? Qual preceito da moral e religião? No filme Dúvida: Meryl Streep, Philip Seymour Hoffman e Amy Adams determinam a verdade inexorável em rigidez, o carisma posto em dignidade e inocência passional, respectivamente.

A adaptação premiada do dramaturgo John Patrick Shanley – que, além da autoria, também escreve e dirige a película – debate intensamente os limites humanos: moralidade versus rigidez, verdade versus mentira, razão versus emoção. O trio central conceitua a problemática: o padre Flynn é posto em desconfiança pela irmã Aloysius que, induzida por uma suspeita da irmã James, passa a acreditar plenamente no seu envolvimento íntimo, secreto e sexual com um aluno negro. O roteiro propõe a polêmica: O que consiste uma percepção? Toda desconfiança há de ser acatada? Diante de nenhuma evidência concreta, como se sustenta uma verdade? O que é verdade?

Tudo no fime é avassalador e denso: as atuações são ásperas, cruas e soberbas. Os diálogos, altamente questionadores e realistas, devastam aspectos de fraquezas e mistérios humanos, a desconfiança contrapondo-se com a crença individual, o conservadorismo com seus dogmas e rigores. John Patrick Shanley não nega suas origens: desmede a fixação pelas cenas prolongadas em diálogos expressivos, breve mudança de cenários e o foco é justamente no efeito psicológico dos personagens – tudo é amplamente duvidoso, sugestivo às interpretações, pois o espectador tende a compartilhar da tensão e das mesmas incertezas vivenciadas pelos personagens.

Tudo é colossal: a fragilidade balanceada com a tempestividade, as verdades se mesclam com as mentiram e geram, daí o título, dúvidas intermináveis. O ser humano é a personificação da incerteza? Diante das adversidades a única solução é agir com receio? Como provocar a credibilidade em si e no próximo? O choque é justamente essa dupla-interpretação que o filme incita. O que é verdade pode ser uma mentira e vice-versa. Nem tudo é absoluto, definitivo e constante. Meryl Streep é um dragão faminto, cruel e agride com sua sutileza interpretativa – domina o filme com olhar, gestos e uma voz agressiva, dotada de firmeza. Philip Seymour Hoffman cativa como o padre suspeito, misto de charme e ternura – seria um homem de Deus ou um profano dissimulado? Amy Adams conceitua o misto da inocência, ingenuidade e emoção imaculada. É um filme que permite reflexão durante e após o término. Eis um efeito cinematográfico arrepiante, banho de técnica e plena sensibilidade de argumentação.

— > Texto publicado também no Apimentário.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Dúvida (2008)

  1. Ótimo, Cris. Quando assisti “Dúvida” fiquei intrigado do começo ao fim – filme 10.
    Hoffman estava incrível assim como Streep. Muitos já sabe meu problema com Amy Adams então evito comentários hahaha.
    Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s