O Nevoeiro (2007)

“Leave it alone, David. You can’t convince some people there’s a fire even when their hair is burning. Denial is a powerful thing.”

E lá vamos nós com mais uma história adaptada de Stephen King, que apresenta um monstro bizarro de tentáculos nojentos que veio de outro planeta. Já viu essa história em algum lugar? Pois é…

David (Thomas Jane – que já havia feito outro de King, “O Apanhador de Sonhos”) pinta um quadro para Hollywood quando um grande vendaval começa e uma árvore acaba atingindo a janela da sua casa. Na manhã seguinte, ele vai com seu filho no supermercado da cidade para comprar alguns suprimentos, e o cenário para praticamente o filme todo está montado.

Um grande nevoeiro branco, – que possivelmente veio da mesma região que aquela fumaceira preta de LOST – invade a cidade, e mais do que isso, monstros estranhos estão nessa névoa, fazendo com que todas as pessoas do supermercado – clientes e funcionários – fiquem presos lá até segunda ordem.

To bege! o.O

É neste cenário que temos os principais protagonistas: David e seu filho Billy (Nathan Gamble, que deve ter recebido a seguinte ordem de encenação: “chore o filme todo e só”), uma outra cliente que faz a vez da mais corajosa da turma – Amanda (Laurie Holden, de The Walking Dead, que trocou o isolamento de uma loja de roupas pra se isolar agora num supermercado – mais útil né?), Brent (Andre Braugher) vizinho de David, a beata Mrs Carmody (Marcia Gay Harden, que adora um papel de perturbada) que por vezes dá entender que é ela o principal vilão da história, um funcionário do mercado Ollie (grande Toby Jones), e um casal de velhinhos, um deles representado por Jeffrey DeMunn (também de The Walking Dead).

Essa galera toda (e mais outros que compõem o caos da trama) se torna um grupo que mais perdido que minhoca em miojo, não sabe o que está lá fora e não sabe se espera até o estoque de Doritos acabar ou se vão se aventurar para a névoa correndo risco de vida. São 2 horas bem longas desse lenga lenga, com um corajoso aqui e outro ali, saindo pra névoa e voltando pela metade.

Talvez os maiores destaques são de fato para a atuação de Marcia Harden pela Mrs Carmody, e David que teve que fazer um final bem difícil, eu diria. Aliás, o final é daqueles que você passa muita raiva. Mas, sempre tem aqueles que gostam de finais assim…

No mais, é aquele clichê, seja na condução da história, nos deboches dos menos crentes do monstro, até que se prove o contrário, e o próprio desespero humano que leva todos ao caos, destruindo uns aos outros, por conta da impossibilidade de vencer um mal maior. Rende alguns sustos, e apesar de um final forte, vai sem deixar saudade…

Anúncios

15 pensamentos sobre “O Nevoeiro (2007)

  1. o natalia sua iguinorante se o filme te esplicase td sertinho aposto que vc ia estar aqui comentando dele que era muito obvio,e outra como q com 4 balas pode se matar 5 pessoas????. oque eu achei curioso foi o fato de o advogado ter sumido com um grupo de caras, so isso me deixou na duvida sera que eles morreram?fugiram?vai sabe…mas o filme e bom

  2. Gostei do bom humor do texto, Natália, como sempre hehe. Mas a minha recepção a “O Nevoeiro” foi bem mais positiva. Achei um filme que constrói muito bem a tensão na história, suscita a reflexão em alguns momentos pela miscelânea de personagens e o roteiro é legal. Não é a obra-prima que muitos pintam por aí, mas acho um thriller muito eficiente. Thomas Jane deveria desistir de atuar de uma vez por todas, mas em compensação, Marcia Gay Harden, como vc aponta, destrona. Mas nada é melhor e mais surpreendente que o final, realmente devastador.

    Bjs!

  3. Gostei do filme, o roteiro mistura críticas a religião, aos militares e ao caráter das pessoas na hora do desespero.

    Com certeza tem um dos finais mais cruéis da história do cinema.

    Até mais.

  4. Também gostei do filme no fim das contas. Entendo seus pontos, tem horas que me deixaram cansado com a mesma discussão, mas como um todo, achei que O Nevoeiro teve um bom desenvolvimento. Mas, de preferência, ainda fica o livro.

  5. Vi faz muito tempo, mas lembro que é tenso bagarai! e o final me deixou chocado! Tenho que rever pra firmar uma posição, mas olhando para seus argumentos dá pra entender bem o porque nao gostou!
    Abraço!

  6. Gnt, achei o filme ruim, por conta de várias falhas no roteiro e a forma que tudo é conduzido…

    O final com aquele ” desperate” é interessante e foge dos cliches, porem os acontecimentos acontecem sem explicação, simplesmente pelo comodismo do roteirista. Quem disse que tinha que ser uma bala pra cada pessoa? Se tinham 4 balas, dava pra ter matado todo mundo… Alem do que, eles tinham outras soluções do que simplesmente se matarem. Se correram risco tantas vezes, podiam ter parado nos diversos carros estacionados ao longo do percurso para pegar mais gasolina. E aquele exercito que veio exatamente do mesmo caminho do qual o carro deles passaram? E onde foi parar a névoa? E aqueles militares no mercado, completamente secundários, qdo na verdade, eles que deveriam tomar a frente?

    Mrs Carmody conduz bem, mas chega uma hora que cansa seu personagem. Alem disso, os diversos furinhos ao longo da trama, que até a galera do The Walking Dead tem uma preocupação maior em remendar essas coisas.

    Enfim, esses são alguns pontos dos quais não gostei. =)

    Bjos!

    • Se tinha 4 balas, sim, dava para matar todos eles. E esses erros que você aponta não são erros, são coisas pensadas. Ora, você acha que eles, naquela situação, conseguiriam pensar em tudo isso de medidas alternativas? Acho que não. Eles estavam ouvindo o barulho se aproximar; já meio que tinham ideia do que seria; a solução ficou perfeita — e implacável. O exército veio pela rua que eles passaram? Bom, não lembro exatamente disso, mas no meio da névoa é difícil saber. A névoa desaparece. E daí? O filme não precisa deixar tudo explicado (ainda mais baseado num conto do Stephen King!). Enfim: claro, às vezes certos detalhes incomodam mais alguns espectadores que outros, mas aqui acho o resultado brilhante. Mas a discussão foi boa.

    • Então, mas eu não achei que na cena do carro estava todo mundo desesperado para uma atitude dessas. Os erros de roteiro, se foram proposital ainda assim não acho que foram bem planejados. Mas como vc disse, é mto relativo mesmo. Filmes deste estilo tende a gerar dois pólos de opiniões principais, e eu acho que as estratégias e sentidos de cada cena para esse tipo de filme, seria necessario. Como o pessoal citou, gosto de alguns pontos no que tange detalhes mais tecnicos como a camera tremula, as vezes desfocada, que ficou mais para o começo do filme, quando todos estavam meio que se conhecendo no mercado… A trilha achei ruim tb =P

  7. Natalia, devo dizer q assim como os q comentaram tb gostei do filme, Darabont conduz a trama para q o expectador sinta raiva dos acontecimentos mesmo. Tem um jeitão de filme B dos anos 50 e acho a atuação de Thomas Jane otima, vi esse filmes 3 vezes. Acho contudente. Abração!

  8. Poxa mocinha, vou discordar de você agora. Este filme para mim é ótimo, adorei a forma como ele trabalha com o medo, a forma como as pessoas agem dentro do supermercado mostrando o lado humano quando enfrenta algo desconhecido e temido, aflorando os intintos mais primitivos e, principalmente, o final do filme.

    O final de “O Nevoeiro” é daqueles super-corajosos, que não vemos com frequência. Para mim um dos melhores filmes de terror no ano em que foi lançado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s