Twin Peaks (1990-1991)

O LOST da década de 90 (em clima de final de 80), foi uma criação de David Lynch e Mark Frost, numa época em que séries desse estilo, com assassinatos, mistérios em torno de uma cidadezinha interiorana, era novidade. Faço a comparação com LOST, porque da mesma forma que a série virou um vício, Twin Peaks virou também na época em que rolava na TV. Falo isso, acreditando em pessoas que viveram essa época, claro =) Eu só assistia TV Cultura nessa fase…

Laura Palmer (Sheryl Lee) destaca mais como ícone da série do que com sua atuação.

Quando resolvi assistir a série por indicação, levei em consideração dois quesitos: o primeiro, o fato de ter a mão de Lynch. Ou seja, coisa normal não era. Bem verdade que ele fez só os primeiros 7 episódios, da primeira temporada, que inclusive é a melhor. Mas, o toque de birutice sempre esteve presente na série. O segundo quesito, foi a sinopse inicial com a pergunta que ecoou por um bom tempo nas mídias disponíveis da época: Quem matou Laura Palmer? Posteriormente, essa história toda gerou um filme (do Lynch) mas que não obteve sucesso algum, até pelo fato de não mostrar nada que nossa curiosidade já não tenha se alimentado, após ter visto a série.

Kyle MacLachlan como Dale Cooper à esq. e ele atualmente à dir. Tem atuado na série Desperate Housewives.

O episódio piloto, não desperta muita paixão, para você já habituado com as séries desta nova geração. Os sintetizadores oitentistas, a fotografia granulada digna de séries antigas a la A Gata e o Rato, faz você se assustar um pouco e torcer o nariz com certo preconceito daquilo tudo. Mas, são os personagens curiosos, cada um com manias e hábitos esdrúxulos além da grande questão de quem será o assassino de Laura Palmer, que faz você ficar. E depois de no máximo 3 episódios, tudo isso movido por preconceitos inciais vira vício. Bem, pra mim foi assim…

Lara Flynn Boyle interpreta Donna, a melhor amiga de Laura.

Sherilyn Fenn interpreta Audrey, a filha de Horne que também tem grande destaque na série. Atualmente a atriz tem um blog e só: http://sherilynshines.blogspot.com/

O foco dessa série é Kyle MacLachlan (do qual Lynch havia gostado de seu trabalho em Veludo Azul) que interpreta um agente do FBI, Dale Cooper. Ele vai para Twin Peaks, para investigar o caso do assassinato de Laura Palmer, uma garota comum aparentemente, estudante que levava uma vida normal pelo o que se via superficialmente. Cavocando em seus mistérios, mergulhamos na sujeira de Palmer e da própria Twin Peaks, uma cidadezinha de poucos habitantes, calma, e pacata e que segundo o detetive Cooper, tem a melhor torta do mundo…

David Duchovny faz uma ponta ridícula como Denise, uma detetive do FBI que se assume como mulher, na segunda temporada. Não tem efeito nenhum na série, mas quis postar a foto =)

“Fellas, coincidence and fate figure largely in our lives.”

Xerife Harry Truman de Twin Peaks. Se torna braço direito de Dale Cooper.

Nisso, elementos sobrenaturais de todo e qualquer tipo invade a história e obviamente, ilusão mescla com realidade constantemente, oscilando entre sonhos esquisitos com anões dançando, cortinas vermelhas, piso xadrez. O perfeito cenário lúdico de Lynch. E acreditem, por mais toscos que sejam os efeitos, dá medo. Lynch assusta pela tosquice e a cara maluca de seus atores… Vide Bob, a figura enigmática e mais medonha da série, que vez ou outra surge na visão de algumas pessoas. Tudo por vezes fica no ar, despertando nossa curiosidade. Alguns elementos com o tempo são resolvidos e encaixados. E tudo pode dar vazão a discussões a respeito de furos no roteiro ou algo assim. Entretanto, numa série criada pelas mãos de Lynch, todas as peças de fato não são encaixadas e ninguém liga pra isso no final…

“Harry, I have no idea where this will lead us, but I have a definite feeling it will be a place both wonderful and strange.”

Ray Wise é Leland Palmer, pai de Laura.

Depois que descobrimos o verdadeiro assassino de Laura Palmer – que confesso, não imaginava e fiquei em choque quando descobri – a série dá uma boa esfriada, deixando tudo muito menos interessante, mas vale a pena chegar até o final. Até porque, só são 2 temporadas. A primeira com 7 episódios e a segunda com 22 episódios, ficando longo demais e partir do 11, mas ganhando aos poucos força novamente, o suficiente para chegarmos ao final. Após isso, a série foi cancelada, ficando na memória do pessoal e na filmografia estapafúrdia de Lynch…

Para aqueles que já conheciam e gostam da série, segue o link do site do fotógrafo Richard Beymer, que fotografou várias fotos do set de filmagem do Twin Peaks. Só tem foto esquisita =D


Anúncios

8 pensamentos sobre “Twin Peaks (1990-1991)

  1. “O episódio piloto, não desperta muita paixão, para você já habituado com as séries desta nova geração”. Pois é, mas imagine um público que só tinha acesso a coisas como Super Gatas, Primo Cruzado, A Gata e o Rato, Anjos da Lei, etc… hehehe. Twin Peaks foi um assombro, não acompanhava porque domingo tarde da noite era difícil para uma pobre criança como eu na época, mas lembro bem do grupo mais velho no condomínio comentando. Só fui conhecê-la tempos depois, e adorei, apesar de não ser minha série preferida.

  2. ADORO Twin Peaks. Ainda hoje é uma das minhas séries favoritas, mesmo com alguns epsiódios meia boca no meio da segunda temporada. E você sabe como surgiu a tenebrosa figura do Killer Bob? Frank Silva, que fazia o papel, era da produção e foi acidentalmente gravado refletido no espelho no episódio piloto, na cena em que a mãe da Laura verifica o quarto dela e vê que a filha não dormiu em casa. Lynch, ao ver os copiões, reparou mas decidiu não regravar. Viajou com a ideia dessa “presença espectral” e o resto é história…

  3. A globo mutilou a primeira temporada mesmo, q anos depois revi em dvd e nem chegou a passar a segunda temporada, deixando uma boa parte de fãs hiper-frustrados. Tenho as duas temporadas aqui, mas nunca terminei de ver a segunda temporada, como vc disse ela da uma boa esfriada. Laura Flyn Boyle nunca esteve tão linda, a primeira temporada é viciante. Tenho q acabar de assistir td…hehhe…

  4. Eu AMO Twin Peaks. É DISPARADA a minha série preferida. Genial mesmo! David Lynch é foda. Também fiquei espantando com o assassino da Laura Palmer e, realmente, após a descoberta do assassino, a série dá uma guinada, voltando a ficar boa de novo apenas no finalzinho. Aliás, o último episódio também é dirigido pelo Lynch e é o melhor da série. Que final hein? A série TINHA que terminar assim.
    Parabéns pelo texto (:

    • Tenho uma relação de amor e ódio com o Lynch. Mas vc tem razão, Twin Peaks é uma das melhores séries que já vi. Gostava de todos os personagens, dois mais sangues ruim aos mais “inocentes” se é que teve algum, tirando o xerife e o cooper, rs.

  5. Essa série foi exibida pela Globo, domingo à noite. Quem assistiu aos primeiros episódios logo notou que não fazia sentido nenhum e não batia coisa com coisa. Logo descobriu-se (foi a folha de SP se não me engano) que a Globo estava cortando tudo e passando episódios fora de ordem.

    • Polêmico isso. Se na íntegra já é meio complexo, imagina cortando. Ouvi dizer que eles tiravam até alguns personagens (as cenas), como a senhora do tronco. Ainda bem que hj a gnt não depende mais da TV pra ver séries né? =P

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s